domingo, 27 de dezembro de 2009

Meu amor não me beija os pés.

Ele morde meus calcanhares.


Eu nunca escapo, embora tente,


e quase sempre engasgo

de também o ter entre os dentes.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Tive muito que rir hoje ao telefone

e nada pude responder ao meu amor.


Vigiavam-me olhos virgens

incapazes de entender meu riso.


É que me contava o meu amor,

como se não tivesse eu vivido,


a última tarde em minha casa,

uma festa, ele escondido


fazendo-me prazeres impróprios

a uma casa repleta de amigos.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Foto de Humaitá-Amazonas. Colégio Patronato Maria Auxiliadora, onde estudei nos anos de 1978/1979. Minha mãe esteve lá hoje e mandou uma foto. Não é essa, mas o colégio está exatamente igual. As freiras desse colégio inspiraram as freiras do conto A OMOPLATA, que ganhou o Prêmio Newton Sampaio/2009.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Quero no corpo pelo dia
carregar grudado o gosto do amor.

Ele ainda há pouco saía
e me deixou assim inundado.

Eu, como um gato, me distraio da vida
neste gesto lasso de me lamber alegrias.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Agora mesmo o meu amor está mentindo

e maldiz uma viagem de trabalho.


Mas sou eu quem o espera rindo,

bendizendo minhas férias.


Vou tirar férias de mentir

que não sou feliz nem amado


e vou contar a todo estranho

que este é o amor ao meu lado.


Nossos passeios de mãos dadas

não terão registros em retratos.


Serão lembranças clandestinas,

segredos de apaixonados.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Meu amor me ensina a andar de bicicleta,

o equilíbrio delicado da aventura.


Ele segura firme e me ampara

quando hesito e ameaço a queda.


O vento no rosto, o chão fugindo sob os pés,

tudo me engole em vertigens.


Quando, cansados, deitamos à sombra de uma árvore,

as nuvens tontas de nossa festa na relva,


sou eu quem ensina, professor aplicado,

a verdadeira arte: de se qui li brar-se.

:

:

:



Desenhos no celular

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Somos apenas bons amigos.

Ensaiamos essa frase há dias


para esconder dos outros a felicidade,

pois é clandestina a nossa alegria.


Vivemos nosso segredo pelos cantos,

os beijos rápidos, furtivos e sinceros,


até o dia de enfim sermos pegos

com as bocas sujas de sexo.


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Prêmio Newton Sampaio

Queridos amigos, colegas, conhecidos e outros

Vejam que coisa boa. Venci o Concurso de contos Newton Sampaio de 2009, organizado pela Secretaria de Cultura do Paraná. A comissão julgadora foi formada por MARINA COLASANTI, MIGUEL SANCHES NETO e FLOR DE MARIA SILVA DUARTE.




Concurso Nacional de Contos Newton Sampaio 2009 - Resultado


A Secretaria de Estado da Cultura e a Comissão Julgadora, constituída por MARINA COLASANTI E MIGUEL SANCHES NETO, FLOR DE MARIA SILVA DUARTE, apresentam os quinze vencedores doConcurso Nacional de Contos Newton Sampaio – 2009.
Os contos premiados foram:

Em primeiro lugar: inscrição nº : 1055
Autor: Marcus Vinícius Couto Rodrigues - Salvador - BA
com o conto: A omoplata

Em segundo lugar: incrição nº: 397
Autor: Douglas Kim - São Paulo - SP
com o conto: O homem envolveu a menina com o braço direito

Em terceiro lugar: inscrição nº: 466
Autor: Walther Moreira Santos - Vitória de Santo Antão - PE
com o conto: Uma esperança

A seguir, respeitando a ordem alfabética do nome dos autores, foram indicados os contos para menção honrosa:

Inscrição nº: 106
Autor: Ana Cláudia Costa Santos - Porto Alegre - RS
Conto: Açucar

Inscrição nº: 375
Autor: Bárbara Lia - Curitiba - PR
Conto: Mulher na árvore

Inscrição nº: 670
Autor: César Américo Barreira Cardoso - Rio de Janeiro - RJ
Conto: Caro Poeta Arnaldo Antunes

Inscrição nº: 1626
Autor: Edison Lotério - Rio Claro - SP
Conto: O latido dos cães

Inscrição nº: 1529
Autor: Fabiana Motta Tavares - Brasília - DF
Conto: Dezembro de 2002 – Aeroporto Internacional de Brasília

Inscrição nº: 1627
Autor: Henrique Fagundes Carvalho - Belo Horizonte - MG
Conto: Mater dolorosa

Inscrição nº: 1793
Autor: Iara Maria Carvalho - Currais Novos - RN
Conto: Alvíssima

Inscrição nº: 170
Autor: Lucas Jerzy Portela - Salvador - BA
Conto: Os galos

Inscrição nº: 066
Autor: Patricia Lopes Gonçalves - São Paulo - SP
Conto: Disnêilandia

Inscrição nº: 1609
Autor: Ricardo Morales Brum - Porto Alegre - RS
Conto: Terminal Tiête

Inscrição nº: 305
Autor: Silvia Rodrigues da Costa - Ponta Grossa - PR
Conto: “Dej@vu”

Inscrição nº: 664
Autor: Zelinda Rosa Scotti - Curitiba - PR
Conto: O bordado

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Amor marinheiro

Meu amor é marinheiro

e não faz de mim porto qualquer

onde larga seus desejos.


Nem porto sou sequer,

que de natureza fugidia

também eu sou feito.


Mais que o mar e suas correntes,

submarinos quereres me navegam

ao mais fundo, abissal, leito.


De nossos encontros, eu e meu amor,

nascem borrascas incontroláveis,

maremotos, gigantes vagas.


Eu, o mar, ele, o barco altivo

que resiste e cede, afunda e emerge

entre o singrar e o naufrágio.


Meu amor capitaneia e decide

contra a onda sísmica, eu, que

sobre o barco arrebenta virgem.


Os céus se aproximam, precipitam raios,

toda a amplidão por todos os lados

se debruça a ver-nos enfim amar.


E, então, tudo acalma.

barco e oceano se reconciliam

em marulhos e carinhos e beijos.


Retorno ao fôlego compassado

qual maré respirando à costa

e ele volta ao caminho traçado.


Volta à praia, ao seguro porto da casa,

leva sorrisos pelo corpo, gargalhadas,

todas as risadas que pude lhe dar.
.
.
.
.
.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Vésperas

Meu amor não vem todos os dias

e vem de surpresa e atrasa,

mas vem perfumado o meu amor,

a melhor roupa bem alinhada.


Não sei quem alisa o linho que amasso,

quem lava e passa e engoma e guarda.

Não sei quem finge que não vê minhas marcas

no corpo que lembra minha paixão rasgada.


Quem enfeita o Natal de meu amor?

Quem assa bolos de aniversário para o meu amor?

Não sei quem cuida de suas febres... lhe dá presentes.

Nunca acordei de beijos o meu amor no dia da nova idade


Vivemos apenas as vésperas eu e meu amor,

longas vésperas de saudades.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Os passeios do amor

Hoje amei sem dores

um amor que parece passar,


mas que indecide a marcha

e volta e passa e repassa.


Amei seus passeios em mim,

os anseios de ir e vir.


Como fui feliz faz pouco,

eu o caminho deste outro.


Amei, enfim, sua pausa,

mas ele não ficará, eu sei,


o meu amor.

fotos da escultura L'Amour et Psyché, de Antonio Canova

Minutos de ironia

.

.

.

.

7

DEMOCRACIA II

A democracia deve ter sido inventada pelos chineses. É preciso uma paciência de Buda.

.

.

.

.

.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Roteiro da poesia brasileira, volume dedicado a quem surgiu depois de 2000, organizado por Marco Lucchesi (eu incluído)
Agenda 2010 da escrituras, com poetas baianos (eu incluído)

domingo, 4 de outubro de 2009

Money, in Cabaret: Liza Minelli and Joel Grey


Money makes the world go around

The world go around

The world go around

Money makes the world go around

It makes the world go 'round.

A mark, a yen, a buck, or a pound

A buck or a pound

A buck or a pound

Is all that makes the world go around,

That clinking clanking sound

Can make the world go 'round.

Money money money money money money

Money money money money money money

Money money money money money money

Money money

If you happen To be rich,

And you feel like a

Night's enetertainment

You can pay for a

Gay escapade.

If you happen To be rich,

And alone, and you

Need a companion

You can ring-ting-A-ling

for the maid.

If you happen To be rich

And you find you are

Left by your lover,

Though you moan and you groan

Quite a lot,

You can take it On the chin,

Call a cab, And begin

To recover

On your fourteen-Carat yacht.

Money makes the world go around,

The world go around,

The world go around,

Money makes the world go around,

Of that we can be sure.

(....) on being poor.

Money money money- money money money

Money money money- Money money money

Money money money money money money

Money money money money money money

Money money money money money money

If you haven't any coal in the stove

And you freeze in the winter

And you curse on the wind

At your fate

When you haven't any shoes

On your feet

And your coat's thin as paper

And you look thirty pounds

Underweight.

When you go to get a word of advice

From the fat little pastor

He will tell you to love evermore.

But when hunger comes a rap,

Rat-a-tat, rat-a-tat at the window...

At the window...

Who's there?

Hunger!

Ooh, hunger!

See how love flies out the door...For

Money makes The world...

...Go around

The world...

...Go around

The world...

...Go around

Money makes the

The world...

...Go around

That clinking

Clanking sound of

Money money money money money money

Money money money money money money

Get a little,

Money money

Get a little,

Money money

Money money

Money money

Money money

Money money

Mark, a yen, a buck

Get a little

Or a pound

Get a little

That clinking clanking

Get a little

Get a little

Clinking sound

Money money

Money money...

Is all that makes

The world go 'round

Money money

Money money

It makes the world go round!

Abraço
desenho feito no celular e alterado no photoshop

\
/
\
/
\

sábado, 3 de outubro de 2009

Arte ou


Exercício de

dicção para

Liza Minelli







Manet Manet Manet Manet

Manet Manet Manet Manet

Manet Manet Manet Manet

Manet Manet Manet Manet

Manet Manet Manet Manet

Manet Manet Manet Manet

Manet Manet Manet Manet

Manet Manet Manet Maney

Monet Monet Monet Monet

Monet Monet Monet Monet

Monet Monet Monet Monet

Monet Monet Monet Monet

Monet Monet Monet Monet

Monet Monet Monet Monet

Monet Monet Monet Monet

Monet Monet Monet Money

domingo, 6 de setembro de 2009

Toda a tristeza dos rios




Não posso dizer que qualquer coisa de sobrenatural ou extraordinária me levou às margens do Sena tão rápido. Afinal, um turista que chegue cedo demais a um hotel de Paris e seja obrigado a fazer um passeio de espera – a diária do hotel ainda por começar, invariavelmente será atraído para Notre-Dame-de-Paris. Um vórtice de desejo nos leva a todos para lá. Assim é que cruzei as linhas do metrô e fui. A visão deslumbrante da novidade, do desejo que se concretiza pela primeira vez... atravessar uma ponte... a igreja e a fila de turistas com sua alegria de domingo à tarde, um céu cinza que de repente se abre azul, como quem finalmente é conquistado e se entrega... a igreja e seu grande espaço vazio, a igreja e sua luz de vitrais, uma igreja toda louvor às alturas, suas centenas de anos, suas gárgulas, seus Quasímodos, suas Esmeraldas por ali dançando, todas as quedas trágicas, todas as redenções, coisas demais para sentir.
Fiquei por ali, vagando sem rumo, apenas acompanhando as correntes que faziam as outras pessoas, eu seguia o movimento, como uma folha caída na água. Eu apenas me deixava levar, os poros todos abertos para ver e ouvir, para sentir e tocar. Eu apenas estava ali e isso era tudo que podia ser naquele momento.
Quando enfim me libertei da ilha, fui caminhar pela margem esquerda do Sena, até a Pont Neuf. O rio e suas águas castanhas me lembrou outros rios por onde passei. Tive muitos rios na minha vida, eu que nasci à beira mar.
Nasci em Ilhéus, no bairro do Malhado. Nossa casinha na rua Nossa Senhora das Graças ficava numa pequena elevação. Podíamos ver o mar bem ali do outro lado da rua, por sobre as casas em frente. As puxadas de rede dos pescadores, os barcos cegando ao porto. Não fiquei muito ali. Logo me mudei e fui morar à beira da foz do rio Almada, o primeiro rio. Lembro das canoas dos pescadores ali na areia, as minhas brincadeiras com meus irmãos. Lembro que deste rio saiu minha primeira experiência de morte. Morreu afogado o filho de minha madrinha. Não pude ver nada ou ir ao enterro, mas lembro ainda das histórias de como ele se afogou e desapareceu no rio, de como foi encontrado depois o seu corpo já comido pelos peixes. Assim me contavam meus irmãos.
Tive outros rios na vida, o Tocantins, o Madeira. Este o rio que presenciou minhas primeiras descobertas sexuais, lá longe de tudo, no Amazonas.
Mas aqui, caminhando ao lado do Sena, me lembro de rios que não são meus, lembro dos rios Beberibe e Capibaribe, em Recife. Lembro de meu amigo Ney no alto de Olinda apontando para Recife e dizendo: e ali o Beberibe encontra o Capibaribe e juntos formam o oceano Atlântico. Lembro de sua camisa polo amarela, aquela mesma que vestia quando, muito tempo depois, numa noite mais triste que as outras, me apareceu num sonho e disse: você está seguindo em frente. Ney sempre soube de mais coisas do que eu, eu sempre desconfiei. Bom, como bom apaixonado por Recife, ele pelo menos sabia em que lado do rio estávamos. Essa era minha maior angústia quando ia lá. Eu que era tão bom para me localizar no espaço, nunca sabia de que lado do rio estava. Recife me confundia. Ou eu acreditava tão plenamente no meu amigo e suas certezas visionárias que esquecia de prestar atenção às coisas. Ele parecia saber de tudo que ia acontecer em nossas vidas. Só uma vez errou no cálculo dos anos, ou, se sabia, apostou que estava errado.
Era seu o sonho de estar aqui caminhando à margem do rio sena. Ela sabia que não tinha tempo, a morte já anunciada. Assim é que planejou a viagem para setembro daquele ano. Tudo certo. E, então, em julho, um mesmo julho como esse, quando o céu do Brasil é o mais bonito, como ele gostava de dizer, aconteceu. E foi minha a triste previsão. Eu tinha lhe escrito uma carta em que dizia que ele não podia saber do que morreria, ninguém sabia. A cara do fim que ele vira não era verdadeira e sobre esse mistério nada sabíamos. Foi assim que a vida me fez acertar dolorosamente: uma noite feliz, um assalto, um tiro, uma hemorragia... o sangue não conseguia parar...
Agora, enquanto caminho, eu o faço devagar, os passos pensados e leves, pois sei que piso em sonhos que não são meus. É pelo sonho de meu amigo que passeio. Ele sonhou com tanta força que é como se ele estivesse aqui ao lado me dizendo para seguir em frente. Eu sigo e olhando o Sena deixar correr suas águas, entendo bem o que disse Mário Quintana: Toda a tristeza dos rios é não poderem parar.
~
~
~
~

sábado, 5 de setembro de 2009

Ilhéus


Você me verá no cais

vazio da cidade onde nasci,


andando sobre o lodo

do mar que esvai.


Também eu parti

rumo à saudade,


esta nova pátria

de onde não posso fugir.

sábado, 29 de agosto de 2009

LES CAHIERS DE PARIS - 1

Entre aqui e lá


Voar é estar parado

Sobre um tapete branco

Sob um céu estrelado




Uma vez, entre Niterói e o Rio, na barca, tivemos de esperar passar o porta aviões. “O” porque vocês sabem que o Brasil só tem um. Ficamos ali parados no meio da baía da Guanabara. Eu me distraía com o congestionamento de navios, barcas, barquinhos... no céu os aviões vinham descendo desde a Porte Rio-Niterói até o aeroporto Santos Dumont. O centro do Rio, com seus prédios altos, parecia uma muralha. Era uma ambiência futurista retrô, um Blade Runner.

Todas aquelas pessoas na barca, com seus compromissos inadiáveis: empregos, escola namorados... tudo por um fio. Todas aquelas pessoa não podiam fazer nada a não ser esperar. Também eu. Deliciosa impotência essa em que a vida não nos pertence. Naqueles minutos parado no meio da baía, senti que nada podia me acontecer. Toda a vida parada, decantando sua dor e suas ansiedades.

Agora, estou novamente sobre as águas, quase sobre Cabo Verde, entre aqui e lá. Não há nada que impeça o seguir do avião, mas ele parece parado em pleno ar. Só o monitor à minha frente conta os quilômetros que passam. Estou seguindo por sobre os fusos do tempo pelo planeta, mas é como se estivesse parado... e nada pode me acontecer. Nenhuma gente pode mudar o meu destino agora. Nem mesmo eu posso fazer qualquer coisa. Minha vida inteira por decidir, os amigos os colegas os parentes, ninguém pode me alcançar, nenhuma notícia virá agora. Nada. E nada posso. E aos poucos as dores e as ansiedades ficam para trás.

Deliciosa liberdade de nada poder, nada fazer, nada saber do mundo lá embaixo sob as nuvens. Tudo é só contemplar a noite e sua estrelas há muito mortas. Elas já não estão lá onde as vejo, eu já não estou lá de onde parti, tampouco cheguei ainda.

Pareço estar parado e o espaço e tempo dos fusos se movem sobre mim.

(

)

(

)

sexta-feira, 10 de julho de 2009

A estrada



Houve um tempo

de esperar desperto,

olhos ávidos,

boca entreaberta.

Houve um tempo

de crer na chegada.


Depois,

o atraso prolongando-se,

perdido o tempo,

diluiu-se a espera,

apagou-se o porvir.


Era o tempo de partir:

a estrada.


*

*

*

*

domingo, 24 de maio de 2009

Farfalle

Borboletas não pousam

porque a vida é um fiapo na brisa

perde o sopro quem aterrissa


Des papillon ne se posent pas

parce que la vie est un fil à la brise

perd le souffle celles qu’aterrisent

 



In RODRIGUES, Marcus Vinícius. Pequeno inventário das ausências, Fundação Casa de Jorge Amado/Prêmio Brasken, 2001.


*

*

*

terça-feira, 5 de maio de 2009

Depoimento de Bruna Bianchi sobre minha poesia

A poesia de Marcus Vinícius Rodrigues é lenta. Não lenta na leitura... uns versos tão curtos e tão poucos. Ela é lenta porque chega depois. As palavras demoram muito a chegar ao papel. Quando isso acontece, os sentimentos já estão envelhecidos, as idéias já não são surpresa. Tudo está decantado. Muitas camadas de tempo já se depositaram sobre a dor. E é dessa dor esquecida que se faz um verso de duas sílabas.

 

Bruna Bianchi é modelo e Atriz de novelas, Artista plástica e um fenômeno de fotogenia e desamparo.

domingo, 3 de maio de 2009

. . . . . . M . . . . .


Cinco sentidos

tem a mão do menino na escola.

Antes do mundo ele aprende as portas,

mas hesite na pergunta:

entro?

O olho fixo no misterioso centro

da palma.



Cinq sens

a la main du garçon à l’école

Avant le monde il apprendre les portes.

Et pourtant il hesite a la demande:

Entre-je?

Les yeux fixés o mystérieux centre

de la paume.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Bienal do Livro da Bahia 2009





γ
γ




γ
γ
γ


Poesia e Ritmo são irmãos?

Local: Arena Jovem Oi
Data/Hora: 20/04/2009 às 18:30
Convidado: Landê Onawle, Marcos Vinícius Rodrigues e João Filho



Praça de Cordel e Poesia
Data/Hora: 19/04/2009 às 20:20
Convidado: Martha Galrão, Marcus Vinícius Rodrigues e Nívia Maria Vasconcellos



quarta-feira, 15 de abril de 2009

Resenha na Verbo21

Saiu essa resenha de Wladimir CaZé sobre o 3 vestidos e meu corpo nu na Verbo21(http://www.verbo21.com.br)

Vejam os primeiros parágrafos.........................

abril de 2009

O vestido de dançar

 

Por Wladimir Cazé

 

Sample Image

 

Em "3 vestidos e meu corpo nu" (P55 Edições, 2009, 50 páginas), primeiro livro de contos de Marcus Vinícius Rodrigues, há uma forte identificação do narrador com a figura feminina, que é o ponto de partida para a articulação do texto. O tecido do vestido de festa que a personagem de "A mais bela flor da alma" usa em um momento significativo de sua vida é feito do mesmo tecido de que são feitas as palavras com que a menina tenta apreender o seu mundo subitamente transtornado.

 

O fim da infância é évocado de maneira tátil: "Doía-me na barriga, bem lá embaixo, uma dor fina e desconhecida que às vezes me fazia torcer o vestido que encurtava" (p. 6). Pouco depois, outras percepções são sinestesicamente trazidas à flor da página, perante a descoberta precoce e quase simultânea do amor e da morte .........................


Leiam mais na VERBO21:

http://www.verbo21.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=383&Itemid=136

0

0

0

0

0