sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Quero no corpo pelo dia
carregar grudado o gosto do amor.

Ele ainda há pouco saía
e me deixou assim inundado.

Eu, como um gato, me distraio da vida
neste gesto lasso de me lamber alegrias.

Um comentário:

Mai disse...

É um amor que resta às lambidas da memória. Imagético, sinestésico.
sabor de um ontem.
Muito bom!