sábado, 16 de janeiro de 2010

Meu amor vem à tarde
e todas as tardes me invade.

Há tardes que vem concreto,
há tardes que vem mistério:

as tardes de marcas vermelhas,
as tardes de dores do sexo.

Eu apenas espero.


foto minha

5 comentários:

Gerana disse...

Marcus:parecerá uma opinião inocente se eu passar inteiramente o que me vem quando leio estes versos, mas realmente eles me invadem com muita força e me levam ao lugar do amor.

Mai disse...

É um esperar que não exaspera porque aqui, o amor que se sente, virá no tempo certo de chegar.
É bom, muito bom de sentir

Marisete Zanon disse...

Meu amor vem as tardes...tardes frias de invernos e eu o tomo numa xícara de chocolate, reverbera toma a minha falta, antes que ele me mate e me leve para o
esmaques pra ti!!!

Marisete Zanon disse...

ops: quero dizer, reverbera "toda" a minha falta...rss....

Maria Muadiê disse...

Linda a "série" do amor. poesia de amor! delícia, MArcus