sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Ainda algo se passa

quando digo agora: meu amor.


Assim fazem as palavras,

nos lábios por que passam,


ressurgir o beijo úmido

que o tempo já apagou.


foto minha

7 comentários:

Mai disse...

O amor deixa vestígios e as palavras resgatam as memórias da pele.Gosto também de sua fotografia. Há uma luz diferencial.
Abraços.

Gerana Damulakis disse...

Que bom que a série não acabou, ela é muito bela, embriaga e envolve.
Tremenda a coincidência do "meu amor" com E de A. Achei estupendo.
Marcus: eu adoro sua série de poemas "Meu amor".

Marcus Vinícius Rodrigues disse...

Obrigado, Gerana; obrigado Mai. O bom das fotos são os escultores. Maravilhosos!

Ana Tapadas disse...

Que boa visita a tua, assim pude chegar aqui e ler este terno poema. Muito sugestivo e bem conseguido.
bj

glaucia lemos disse...

Oi Marcus: Também às vezes abuso da expressão Meu amor, expressão desgastada, mas diz tanto... Lí 3 vestidos e meu corpo nu,pelo título já merece o prêmio, um achado. Os contos, estão entre as coisas mais encantadoras que tenho lido ultimamente em matéria de prosa. sobretudo a espontaneidade de sua composição, e o lirismo contagiante sem ser piégas, você tem do dom! Um beijo.

Carlos Leite disse...

Parabéns Marcos pelo site !
abraços !

carlos leite

Marcus Vinícius Rodrigues disse...

Obrigado, Gláucia.
Meu amor começou com a recorrência do tema e da expressão e continua como marca da série.
abraços